Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Tower of Writing

you will never guess her secret...

Tower of Writing

you will never guess her secret...

9 {Mine}

love, couple, and hug image

“Everything will be okay in the end. If it's not okay, then it's not the end.”

- Ed Sheeran.

 

Nessa noite, Lucille estava com dificuldade em pregar olho.

Tinha conversado pelo FaceTime com Poppy, que a obrigou a descrever tudo, literalmente, tudo o que aconteceu. Duas vezes. O motivo? Queria captar mais pormenores que não captou na primeira vez.

Mas afinal, para que servem os irmãos?

Já não tinha receio. Não tinha receio que a história se repetisse. Não tinha receio que o que ela e Dean fizeram, um dia, a outra rapariga, Avril, voltasse a acontecer. 

Parecia uma adolescente apaixonada, ansiosa para se entregar de corpo e alma. Dean parou em frente à casa da rapariga, mas não subiu. Passava pouco das 22 horas. Limitou-se a deixá-la à porta, como um verdadeiro gentleman. Era o primeiro encontro e como tal, não havia sexo.

O empenho era notório e Lucy estava encantada com isso.

Foi Dean que enviou sms, uma hora depois, e a conversa fluiu naturalmente. Era das coisas que mais adorava. A naturalidade.

Better than Beyoncé 😳

Rodava de um lado ao outro da cama, não parando de rir. Não era o seu riso comum, era o riso de felicidade. Desde quando dois jovens irracionais que começaram por dormir juntos, se apaixonam? Sim, Lucille também estava apaixonada. E desta vez, era correspondida. Queria tanto, tanto dizer-lhe que quase a consumia por dentro. Era óbvio que não ia admitir por sms, mas mensagem após mensagem via-se rendida.

O fim-de-semana passou e com a chegada da nova semana, os dois pouco conversaram.

Foi já na quarta-feira que Lucy, sabendo que Dean fora surfar, aproveitou o momento para o ver. Era realmente uma pena que não pudesse fazer carreira no surf, por que, pelo que percebia, até tinha jeito. 

- Olá, Dean - Saudou, aproximando-se do moreno quando saia da água. As coisas estavam mesmo a mudar. Também não era hábito Lucille ir vê-lo à praia.

- Pausa do estudo?

Afirmou, esticando a toalha. Dean despia o fato lentamente, prestando atenção ao que Lucille não conseguia dizer, engasgando-se. Como é que alguém podia ser tão sensual? Aquela tatuagem deixava-a sem fôlego - Ahm... Sábado... Eu... No centro...

- Lucy - Soltou um riso, compreendendo tudo. - Não é a primeira vez que me vês... assim...

- Nu - Admitiu. Depois, embaraçada, colocou as mãos na cara, rindo, também. Tentou novamente, desta vez, olhando para o horizonte. - Neste sábado há festa no centro. Vão lançar fogo de artifício e eu... Eu gostava de ir vê-lo contigo.

- Claro que sim, Luce - Respondeu-lhe de imediato, com um sorriso. Nem se pergunta o motivo. - Passo pela tua casa às 19 horas? 20 horas?

- 20 horas - Colocou a mala ao ombro, encarando-o uma última vez. Ele não devia despir-se daquela forma, em frente a tantas pessoas. - Adeus! - Exclamou, envergonhada, deixando Dean a rir.

 

Quando Sábado chegou, Lucille, estava nervosa. De certa forma, era estranho, pois junto de Dean, sempre estava confortável. Em casa.

- Hey, gorgeous! - Saudou, como já era habito, de forma adorável.

A rapariga não o cumprimentou. Assim que entrou no carro, expressou-se logo. - Então... Sim, eu não respondi de volta...

- Eu percebo, Luce... Eu assusto qualquer pessoa - Respondeu, soltando um pequeno riso, apreensivo. Olhou-a. Parecia assustada, no entanto, calma. Colocou o cinto. Dean, tentava aliviar alguma tensão. - Provavelmente são as tatuagens.

Negou, rindo também. - As tatuagens não têm nenhum problema.

Prosseguiram caminho, em silêncio, como era de esperar. Dean sabia que Lucy adorava ver o chamado firework. Não, não era ano novo, mas sim as festividades locais. Flórida tornou-se o 27º estado norte-americano. E isso merece uma festa. 

O ambiente entre os dois estava animado, como de costume.

- Acerca da outra noite...

- Luce, tu estás a tentar.

- Não sabes...

- Não sou estúpido - Fez uma pausa, encostando-se ao poste de eletrecidade. - Tu quiseste um segundo encontro, oficial. E isso é bom. Estás a incluir-me nos teus planos!

- Mas é que... tu fizeste a tua parte. Declaraste-te. Não quero que penses que sou uma perca de tempo.

E ele olhou-a. 

Para além das tatuagens, ficava louca quando Dean a olhava nos olhos. Sentia toda aquela profundidade a entrar-lhe na pele, não conseguia evitar. Como um feitiço que, desta vez, não conseguiu quebrar. O coração acelerava, as pernas tremiam e pela boca não saía nada. Estava profundamente apaixonada. Envolvida. Perdida por Dean. Demasiado perdida.

- Amo-te.

Encarou Lucille, confuso. Parecia com dificuldades em encontrar as palavras certas. Estava sério. Surpreso. - O... quê?

- Eu amo-te, Dean - Admitiu, finalmente, soltando um riso. Ela disse-o. Dean, limitou-se a esboçar um sorriso. Mas Lucy queria fazer-se entender. - Amo-te. Amo-te. Amo-te.

Aproximou-se e beijou-o. Amava-o tanto. 

- Podes dizê-lo, novamente?

- Amo-te.

Ambos riram, continuando a caminhar pelas ruas. Agora sim, o circulo estava completo.

Assistindo ao fogo-de-artificio, Lucy percebeu queria ficar com Dean. Queria ser dele.

Há quem não se atreva a chamar de relação ao que Dean e Lucy tinham. Ou ao que Dean e Avril tinham.

Sabido é que as relações são complicadas, por uns motivos ou por outros. São consideradas misteriosas. Duvidamos vezes e vezes sem conta. Duvidamos do positivismo, mas acreditamos no negativismo. Perguntamos se amamos. Se aquela pessoa nos ama. Duvidamos tanto que nos deixa loucos. Adeus ao civismo. Quando alguém está zangado, não duvidamos. Irónico, não é? Devíamos ter mais fé e duvidar sim, mas da próxima vez, do negativismo da vida. 

Debaixo do estonteante fogo-de-artifício de variadas cores, luzes e explosões. Olhou à volta. Reuniam-se outras pessoas, amantes, amigos, casais, famílias demonstrando uma paz de espírito que impressionou Lucille.

Era tão bonito que apostava que Dean também estava rendido. Parecia muito atento ao espetáculo, sorrindo, de vez em quando. O que fez Lucy, perguntar: - És meu?

Olhou-a. Era assim tão óbvio? - Se prometeres ser minha. Muito minha. E toda minha.

E foi de baixo de outra explosão que se beijaram, parecendo eterno.

 

 FIM

 

 

Como já é habito deixo as despedidas para o próximo post!

Desejo-vos um ótimo fim de semana na companhia da inesperada história de amor de Lucille e Dean 😍

 

 

um beijinho,

Annie 

 

10 comentários

Comentar post