Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Tower of Writing

you will never guess her secret...

Tower of Writing

you will never guess her secret...

Capítulo 16 - "O ninho do Amor"

Capítulo 16 - "O ninho do Amor"

 

∴ Narrado pelo Robert ∴


Quando regressei a casa já passava da meia-noite, chovia imenso. E não foi o meu maior espanto ter um tapete de porta dizendo "welcome home". O apartamento era amplo e estava bem decorado. Sim, tínhamos mais um sofá, candeeiros, uma aparelhagem e o meu favorito: um plasma acompanhado por uma consola. Mas foi de certo, deparar-me com a minha Andie em cima do sofá cantando We Will Rock You e a loira batendo palmas como se fosse uma batida qualquer. Pareciam muito bêbedas e prontas para tomar pose da White House.

- Olha quem chegou! - Foi a Ashley que mandou o berro.

- Hello, baby boy! - Colocou os pés no sofá e depois atirou-se para cima de mim sufocando-me com beijos, literalmente. Aquilo é que foi uma recepção! - Como foram as filmagens?

- Correu tudo bem! O que é isto? - Peguei na garrafa de vodka pura que estava no chão e no púcaro de tea em cima da mesa. Já se compreendeu que estão bêbadas, mas para quê o chá?

- Oh, estamos a estudar! - Muito convincente. Bêbedas e a estudar? Não vai sair coisa boa. - A Ash vai ter uma apresentação logo de manhã.

- Bom, vou indo para os meus aposentos! - Levantou-se meia tonta e começou a caminhar pelo corredor - Oh, Robert, gostas da decoração? - Começou a contar uma história qualquer desinteressante sobre o sofá e ria-se, juntamente com Andie. - Já compreendeste que vou ficar por cá, não é? Quero contribuir para a renda, amanhã dá-me um valor!

- Ela cozinha super bem, é um acréscimo!

Estou chocadíssimo com a atitude das duas. O que se passou na minha ausência?

- Sim, fica - Gaguejei. Levantou-me o braço e seguiu até ao quarto onde estava a dormir, agora o dela, pois. - Anda, vamos também.

 

*** 

- Qual é o objetivo de morar-mos juntos se nunca estás presente? - Sentou-se no sofá com as pernas à chinês, meia amuada. Mantive-me em pé sem saber o que responder. Talvez seja um mero desabafo de bêbada. Eu não acredito que estou a chamar-lhe isto.

- Estive a gravar. Nem todas as cenas são gravadas num estúdio, por vezes temos de sair para torná-las mais reais. Especialmente as da noite, compreendes? É o meu trabalho. - Tentei explicar, mas foi em vão.

Ela já estava a chorar. 

- Tu disseste que ias esforçar-te para que isto resultasse. Para que nós resultássemos! 

- Andie, o que se passou? - Sentei-me ao lado dela. Tinha 99% de certeza que estava relacionado com a notícia do jornal. E sim, parece que estou a duvidar, mas não quero. Depois de a ouvir, percebi que estava errado. Contou-me acerca do fotografo e da intimidação que irá fazer, da sua nova audição, do seu péssimo dia na Academia e o mais estranho, da Kelly e o Ethan terem terminado. What? No, no, no.

Não era nada daquilo.

Como fui capaz de pensar que ela poderia fazer algo que não só a prejudicasse a ela como a outra pessoa? Ela é pura. Mas as palavras do Ryan, hum; não me saiam da cabeça. God, que estou eu a pensar?

- Eu precisei de ti.

- Eu sei que a minha profissão não é fácil, mas é o que eu gosto de fazer, é algo real. - Abracei-a e sussurrei-lhe que ninguém lhe iria fazer mal, eu não ia deixar isso acontecer. Ela limpou as lágrimas e levantou-se.

- Imagina, por um minuto, que a nossa relação é real. Porque eu juro, que é - Aprendam. Nunca comparem o vosso trabalho com a vossa namorada. Especialmente depois dela cortar relações com a sua família por causa de ti. - Juro que é o que sinto. - Não falámos mais o resto da noite. Temos discutido tanto que eu já nem sei o que pensar.

Eu fiquei ainda a pé, tinha textos para decorar, apesar de só ter de estar no estúdio por volta das 16 horas do dia seguinte. Quer dizer, de hoje, já passa da uma da manhã. Observei a decoração do apartamento, é acolhedor. Olhei ao relógio, eram 03h45 e estava na altura de ir dormir. Amontoei todas as folhas e juntei-as a outros livros e cadernos que já estavam por cima da mesa.

O corredor é estreito, a primeira porta à direita pertence ao quarto da Ashley, depois há uma casa-de-banho e mais ao fundo é o meu quarto; o nosso quarto. Acendi uma luz, Andie já dormia, e pude finalmente observar a decoração do quarto. O que me chamou mais a atenção estava ao fundo, junto à secretária. Eram várias fotografias de vários momentos. Jonas, Zac, Claire, Ryan, Kelly, estavam lá todos, mas faltava o mais importante.

Fui à carteira e tirei outra fotografia colando-a junto das outras. Era minha com a Andie, tirada numa ocasião especial, apanharam-nos desprevenidos, ela está a tentar controlar o riso e eu apenas a observava. Sim, é uma fotografia linda. Agora sim, está completo. E este, este é o nosso ninho do amor.

Tentei fazer o mínimo de barulho e deitei-me, até que acabei por adormecer.

 

 ***Edward Cullen | Tumblr

Quando voltei a despertar já eram 8h da manhã. Depois de acordar decentemente, dirigi-me para a cozinha. Ashley já tinha saído para a Academia, ficando só Andie, ainda a tomar o pequeno-almoço.

- Tens razão - Afirmei, mas ela nem se mexeu, portanto continuei. - Eu não estou a esforçar-me o suficiente.

- Esquece isso, apenas esquece a noite de ontem... - Foi a única coisa que ela comentou enquanto colocava as panquecas num prato. O resto já estava na mesa, de certo a loira colocou.

Apesar de viver nos Estados Unidos, não dispenso o pequeno-almoço típico inglês: feijão, salsichas, bacon, ovos, tostas de pão e chá preto - o último é trocado por o meu indispensável café.

Sou alvo de gozo pela parte de Andie, "como consegues comer feijão logo de manhã?", dizia ela, ainda nas primeiras vezes que falámos. Não tardou até meia escola saber como me alimento todas as manhãs, é verdade. Eu lembro-me desse dia. Especialmente do seu riso.

Tradicionalmente americana, Andie prefere bacon, panquecas com xarope de ácer, frutos vermelhos e manteiga e café - sendo este nossa ligação. 

- Então, quando é a tua audição?

- Segunda-feira - Colocou a chávena no lava-loiça e aproximou-se de mim. - Não tens de ir, não vai dar em nada.

- De qualquer forma, eu quero ir. E, vou ligar à tua irmã, aposto que precisa de um amigo nesta altura. - Foi a minha vez de me aproximar. Passei a mão pelo seu cabelo e arrastei-o para trás da orelha. Ela tentou esconder um sorriso. - Nós vamos ultrapassar isto. Juntos. 

Beijei-a.

Nunca o sentimento foi tão forte como nesta manhã cinzenta. Pouco depois saiu, eu peguei no jornal que Claire me tinha dado e coloquei-o no lixo. Esta indecisão acabou. 

Nós somos reais. 

 

Este é dos capítulos que mais gosto.

Qual é a vossa opinião?

um beijinho,

Annie 

4 comentários

Comentar post