Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Tower of Writing

you will never guess her secret...

Tower of Writing

you will never guess her secret...

Capítulo 18 - "Moonlight Desires"

Capítulo 18 - Moonlight Desires

 

alex, katie, and josh duhamel image

Na madrugada fria, Liam e Alison encontravam-se deitados no sofá, sozinhos em casa. A família de Liam passara o fim-de-semana na cidade.

A vidraça ao todo comprimento da sala permitia a observação dos astros, como Alison gostava. Liam voltou a referir, como na primeira noite junto às roulotes, que o brilho da estrelas facilmente era ofuscado pelas grandes luzes citadinas. Concordou. Na cidade raramente se olha e lembra os astros... Devido aos inúmeros potentes candeeiros de eletricidade. 

As suas filosofias foram interrompidas pelo toque vibratório do telemóvel de Liam. Era uma mensagem, cómica, de Javier, que partilhou com a loira.

- A correr? São cinco da manhã, está um gelo lá fora...

- Ele quer entrar na universidade com os testes físicos e está a aproveitar as férias do curso para praticar. Às 11 horas já começa o turno no Resort - Foi informando, lentamente, depois calou-se. Debateu-se com nova curiosidade. - Queres ir para a universidade?

- Por acaso... Já estou inscrita...

- A sério? - Afastou Alison de si, sentando-se. Como era possível nunca terem falado do assunto? - Onde?

- UIC. Illinois. Devia estar no segundo ano de Língua e Literatura - Disse ela, recetiva. Liam esperava mais, portanto continuou, talvez um pouco nervosa. - Decidi fazer uma pausa, voltei para Chicago e apareceu a oportunidade, para complementar o meu curso, em aprender Português - Liam ficou pensativo com todas estas revelações. Uma pausa? Voltar para Chicago? Por quê? Eram algumas das questões dominantes. Soltou um "oh" interessado e Alison mudou a sua atitude. - Então, e tu?

- Eu e o Javier vamos tirar Desporto. Estamos indecisos entre a UIC e a Loyola... Há dois anos. Devia ter ido no ano passado, mas a crise não perdoou. O Dave quase perdeu a oficina... E depois de tudo, não consegui deixar a minha família. Nós temos um plano desde que acabámos o secundário. Esta indecisão até está a ser boa, dá mais tempo, até para o Javi para se preparar fisicamente e arranjar mais dinheiro.

- Bom, UIC e Loyola ficam apenas a uma hora de distância...

- Pois é - Soltou, ainda processando, desconfiado. 

Ela beijou os seus lábios, sedentos de amor. Tirou uma fotografia em polaroid, deixou secar e mostrou-lhe. Preto e branco, como o resto do mundo, à excepção deles, que irradiavam cor. Quando se apercebeu, Alison movia os móveis do sítio.

- O que é que estás a fazer, miúda?

- Vamos dançar - Disse ela, mais entusiasmada.

Liam olhou o relógio. Demasiado cedo.

- Vá lá - Começou a puxá-lo, até que Liam saiu do sofá. Agarrou-se à cintura da rapariga e começaram a dançar, como se tivessem hipótese. Estava escuro, mas ela sentia os grandes olhos de Liam a olhar para os seus.

Depois, deitaram-se no chão. Olham aos astros e os astros olham para eles. Uns indiferentes, outros, ansiosamente iluminando, revelando os seus segredos ou tentando compreender os nossos, imóveis.

 

***

Saiu, passava pouco das sete da manhã. A lua deu lugar ao nascer do sol, que deu lugar a novos desejos. Javier passou pela sua casa poucos minutos depois. Tomaram o pequeno-almoço, descontraidamente, antes de irem trabalhar. Liam estava distante.

- Tu não consegues tirar os olhos dela, Don Juan...

- Cala-te - Respondeu ele, atirando-se para a cama, também desfeita.

- Adoro esses vossos encontros sexuais secretos... Só me pergunto o que vai acontecer quando se souber...

Liam não o ouviu, ainda pensando nos acontecimentos da madrugada. Ajeitou a almofada e olhou para Javier, perdido de riso entre os cereais. Disparou, meio gago, meio indeciso: - O que é que tu achas que a Alison era... Antes... De nos conhecer... De... De voltar para Chicago?

Javier parou de comer, sério. - O que... Por que estás a perguntar isso?

- Por que... Isto está a tornar-se algo... Que eu não previ - Começou por admitir. As dúvidas começaram a espalhar-se - Tu sabes... Eu tento dormir apenas com raparigas pelas quais estou apaixonado. E, hoje, eu não sei, passou-me pela cabeça... Será que ela é para mim? Será que a conheço? Será que é saudável?

- Liam - Disse Javier, muito pacífico, após pousar a sua taça. Procurou as melhores palavras para descansar o amigo. - Acho que sabes a resposta a isso. É saudável até tu permitires...

- A Wendy disse que ela ia ser o meu fim, Javier, e uma semana depois, ela perde o beb...

Javier interrompeu, revirando os olhos. - Meu, estás mesmo a ligar ao que ela diz? Devia estar drogada ou, sei lá, não te lembras do estado em que a encontrámos?

- Sim, mas...

O espanhol voltou a interromper. - Já são muitos mas, Liam... Tu desejas-a... Como a lua deseja o sol.

Ficaram em silêncio durante uns minutos e depois, antes de saírem, Liam concluiu, filosofando: - Por que... Se não a conheço... Então, por que motivo eu não consigo tirar os olhos dela? É o quê? Deus? O universo? O destino?

 

 

Que conselho darias a Liam? Haverá motivos para a existência destas dúvidas?

Os próximos capítulos vão ser mais intensos, preparem-se!

Até lá, deixem as vossas opiniões, gosto sempre de as ler 😏

 

um beijinho,

Anna Williams.

6 comentários

Comentar post