Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Tower of Writing

you will never guess her secret...

Tower of Writing

you will never guess her secret...

Capítulo 29 - "Opening night"

Capítulo 29 - Opening night

 

HOLLYWOOD 🎥🎶🎭

O teatro estava ao rubro. Completamente lotado. As luzes, ainda acesas, permitiam conversas paralelas, inquietantes pelo início. Todos apareceram, distanciados mas ligados pelo mesmo motivo. A família, Kelly, naturalmente, Ashley, Ethan, Justin, Robert, Zac e os amigos de longa data, ainda banda musical, Jonas.

- Não! - Ripostava Joe. - Essa é a pior notícia de sempre. Como se atreveram?

- Honestamente, achei que iam ficar juntos tipo... para sempre e sempre.

- Kevin, isso já não existe.

- Chega! - Continuava Joe. - Tenho o coração aos pés. 

- Mas não tem problema, Rob... - Descansava o outro irmão, passando a mão pela perna do britânico. - Se a tua relação com a Andie não te fazia feliz... Isto foi o melhor.

- Não foi! Porquê? Meu Deus, diz-me porquê! - Continuava a protestar.

- Ouve Joe, eu e a Andie mudámos muito neste último ano e a nossa relação... - Procurou as melhores palavras para a compreensão do amigo. - A nossa relação não acompanhou esse crescimento. O Nick tem razão. Não tem problema... ambos ultrapassámos isso. Achas que me agrada estar aqui? Estar duas horas a olhar para ela? Não, mas sou um adulto, tal como a Andie. Isso não diminui o meu sentimento por ela, enquanto pessoa, enquanto profissional. E... estou muito curioso para ver o resultado final.

Zac chegou minutos depois, recostando-se na cadeira da ponta, ao lado do britânico. As luzes apagaram, entretanto, acabando com as conversas. O pano levantou com um cenário rural, Andie no centro, vestida como uma mulher dos anos 50, a década de ouro da televisão. 

Joe e Kevin não paravam com os comentários. - Adoro a árvore!

- É um amigo nosso. Chama-se Ryan, é um grande artista.

 

*** 

Fotos e Gifs: Os melhores momentos do live chat com os Jonas Brothers | JONAS BRASIL

- Olá olá! - Gritou Kevin, batendo à porta do camarim da rapariga. - Podemos entrar?

Instintivamente, ouviu-se um "AHHH" histérico da rapariga, abraçando os amigos. Não acreditava que tinham mesmo ido ver o seu espectáculo. O camarim, já pequeno, ainda estava mais opressivo devido à quantidade de flores, doces e outras prendas que fora recebendo.

- Muito, muito obrigado por terem vindo. 

- Bom, já que temos a agenda preenchida para a Califórnia, não podíamos perder.

- Eu sei! - Exclamou, muito entusiasmada. - Eu e a Kelly comprámos os bilhetes para o Staples Center e, na próxima semana, vou a uma audição em San Diego, estou a pensar assistir a esse também!

- Tu és a principal, deviam ter dado o camarim mais próximo... Não imaginas o trabalho que foi para darmos com isto, o Nick bem dizia que era para a direita, mas o Kevin, filho da teimosia, insistiu para irmos pela esquerda. Fomos ter aos contentores do lixo e depois...

- Joe, chega de pormenores.

- Qual é o seu problema, sr. Efron?

- O teu... entusiasmo excessivo.

Ao observar, todos sentiam saudades. Tudo era verdadeiramente mais fácil com os Jonas por perto.

Robert, ficando para trás, observou toda a disposição do camarim. Junto à bancada, para além do telemóvel, encontrava-se uma moldura com a foto das irmãs. Estava satisfeito. Andie foi esplêndida no palco, não tinha dúvidas do futuro promissor que a esperava. Até que os olhos esbarraram num bilhete agarrado a um dos ramos de flores. "Espectáculo fenomenal. Liga-me, o meu coração está em casa quando a minha mão agarra a tua. Jeff" Jeff? Mas quem era aquele?

- Quem é o Jeff?

- O quê? - Viraram-se todos.

- Jeff. Quem é?

- Um homem, deduzo. - Respondeu Kevin.

- O Jeff... A Jeff... O Jeff... A Jeff... Definitivamente, é um homem. - Concluiu Joe.

- A sério? Não me digam! - Nick revirou os olhos.

Robert e Andie trocaram um olhar como se tivessem a falar mentalmente e antes que a faísca acendesse outra vez, Zac interviu: - Bom, é quase meia-noite, o encanador há-de querer reunir todos para um feedback antes da saída das críticas, não é?

O britânico saiu de imediato, não ficou para as despedidas habituais. A pergunta saíu instintivamente, uma estupidez. Andie tinha todo o direito de seguir com a sua vida, especialmente passado estes meses. Outra parte do seu consciente dizia que talvez, não fosse nada.

 

*** 

russian pub

Reunidos no pub, como era já habito nas folgas, Robert e Zac discutiam trabalho quando Ryan chegou. Acontece que, após a separação, tal como Andie, o britânico refugiou-se no trabalho. A sua parte das gravações estava concluía, só restava a realização do seu filme, que continuou no Canadá, longe dos holofotes. Mas nem tudo foi mau. Ryan e Robert aproximaram-se, conversaram sobre banalidades, até porque, um britânico, outro irlandês, têm sempre muito em comum.

- Gosto bastante deste pub - Admitiu Robert. - Não conhecia. O ambiente é espetacular.

- Vocês que vivem aqui à mais de 10 anos, não conhecem estes sítios mais recatados!

- Não temos culpa, passamos muito tempo a viajar... - Continuou Zac, contando várias aventuras.

- Mas Cali, é sempre Cali... Inglaterra é fantástica, mas o tempo nunca passa daquilo, tal como na Irlanda, certo? - Ryan acenou com a cabeça. - O mês passado, quando estive em Toronto, estava muito vento. À noite a temperatura baixava uns 8 graus.

- Nunca estive no Canadá. Aliás, a minha adaptação a Los Angeles foi facilitada. Como vivia no Texas, estava habituado às temperaturas elevadas, para além do mais, a Andie avisou logo...  - Fez uma pausa, constrangido. - Desculpa...

- Ryan, sem problema. Eu compreendo... ela está ligada a tudo.

- Só quero que saibas que não foi para te espicaçar...

O telemóvel de Zac, em cima da mesa, vibrou. Era uma nova sms, remetente de Andie. Só conseguiu ler "Obrigado pelas flores, ricaço!", o resto não foi permetido, pois estava bloqueado. Riu-se, os outros dois também.

- Vês? Está sempre a acontecer.

Zac interviu: - A nossa situação também é complicada. Somos amigos dos dois, temos que gerir muito bem as coisas...

- Toronto permitiu refugiar-me dos problemas consequentes da separação, mas era inevitável o regresso. Entendi isso, e não é assim tão mau. Los Angeles é muito grande, raramente dou de caras com ela.

 

***

Vancouver: Never before have I been in a city that was as able and eager to strike up a conversation. | via Tumblr  

Sem Zac por perto que foi atender um telefonema, e antes do derradeiro ponto, Kelly, a conversa prossegiu.

- Costumam falar? - Perguntou Ryan.

- Não. Perguntou-me quando podia ir buscar o resto das suas coisas, mas a Ashley acabou por levá-las diretamente. Quando foi a sua estreia no teatro, na noite seguinte agradeceu pela minha presença. Tudo isto por mensagem, a última penso que até foi igual para os todos, tipo modelo. 

O irlandês assentiu. Robert tinha mesmo razão, era uma mensagem tipo que Andie enviou para todas as pessoas que foram ver o seu musical. Durante duas horas a rapariga ficou a ler todos os bilhetes que foram deixados no seu camarim, para poder retribuir. Era mesmo dedicada.

No meio destes pensamentos, Robert continuou: - Então tu e a Kelly, hã?

- Nada. Nem sério, nem oficial. 

Robert soltou um riso. - Algo é de certeza. Ela não pára de falar de ti...

- Estamos apenas a conhecer-nos... É uma rapariga linda.

Poucos minutos depois Zac regressou e foi Ryan que deixou dinheiro em cima da mesa para pagar a conta dos três. 

 - Tenho ensaio às 19 horas, pensam que não, mas uma árvore dançante ainda tem que alongar!

Todos riram. Pegou na sua mochila e quando estava quase a sair do pub, Robert chamou-o.

- Ei... Os Jonas, nossos amigos, regressam no próximo mês. Estão a combinar uma volta com iate que ofereceram ao Zac, e eu estava a pensar que também podias aparecer. Se quiseres, Cameron.

Não hesitou em aceitar, mas ficou surpreendido. Pelo convite e pelo diminutivo que o chamou. 

 

 

um beijinho,

Annie 

8 comentários

Comentar post