Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Tower of Writing

you will never guess her secret...

Tower of Writing

you will never guess her secret...

Capítulo 10 - "Love Me or Leave Me"

Capítulo 10 - Love Me or Leave Me

 

 

Saiu do clube batiam as três horas. Estava escuro, mais do que o habitual. Dois dos candeeiros que habitualmente iluminavam o parque de estacionamento encontravam-se avariados. Aconchegou o lenço ao peito enquanto apressava o passo. Depois parou, vendo um vulto encostado ao seu carro.

- Olá, miúda!

- Liam?

Notou pela entoação que a assustara, pelo que se aproximou da jovem. - Desculpa, não, não queria...

- Não, tudo bem - Descansou, interrompendo-o. Sentia-se apreensiva. Não sabia ao certo se ele ouvira a mensagem que lhe deixou, pela qual mostrava 50% de arrependimento e incerteza que fora o mais correto. Tentou agir normalmente. - Que fazes aqui?

- Pensei que podíamos ir comer a qualquer sítio - Começou por dizer, quase maquinalmente, vendo a expressão da rapariga, franzindo a testa. Mas Liam não tinha feito a viagem até ao clube para levar com outro não. - E antes que queiras dizer "não posso"... Pensa que... Não o fazemos à muito tempo. Tu sabes... Passar pelas Rolloutes.

- Achei que tinhas esquecido - Assentiu, entrando no carro. Aquilo só quereria dizer "sim". O rapaz, sem querer mostrar um sorriso, também se apressou a entrar no seu veículo e arrancar de imediato. 

Sentaram-se no lugar habitual, o do fundo, e Alison só questionava, enquanto fazia um defeituoso rabo-de-cavalo, para si, se ele tinha ouvido a mensagem. Desconcentrava-se quando o olhava. Estava mais atraente. Liam, de ementa na mão, passava a vista por todos os menus. Não que houvesse muitos, mas por que não sabia como encará-la. O silêncio nunca foi tão constrangedor. 

Mas Alison sempre o fez parecer acolhedor: - Eu também gostava de ver.

- Não te 'tou a tapar a vista - Ripostou, logo de seguida, forçando-a a aproximar-se. Mais próxima, tentou alcançar a ementa. Liam fitou-a, afastando o livro que fez com que Alison se chegasse mais um pouco. Entendendo tudo, esboçou um pequeno sorriso. Ele, sério, continuava a admirar a sua alegria. Parecia água fresca. Retirou-lhe e fingiu, também ela, ver. Nenhum dos dois precisava de ementa, a sua escolha esteve sempre feita. Dois hambúrgueres, uma água e uma coca-Cola.

 

***

 alex pettyfer, david, and jade image

 

- Como é que sabias que ia dizer "não posso"?

- É o que dizes... Ultimamente - Proferiu estas palavras num tom baixo, quase melancólico. Alison também se encontrava pensativa, mas Liam não a queria assim. - Até disseste não à festa do Javier... Ele ficou sentido.

- Eu não lhe disse que não queria...

- Tens de perdoá-lo, mas ele é um latino que sabe ler nas entrelinhas...

- Estão a confundir tudo - Fez uma pausa, quando o empregado trouxe os pedidos. Despiu o casaco, deixando estar o seu top azulado. Depois continuou, como arrastando as palavras. - Eu disse que não podia ir. Tenho imenso para estudar... Para além do mais... É só mais uma festa.

- Eu não consigo estudar - Soltou um breve riso, desabafando, o qual a loira não o acompanhou. Ficou a observá-lo, em silêncio, enquanto comia o seu hambúrguer. Com aqueles olhares, pediu: - Pára de olhar para mim.

- Não consigo - Respondeu de imediato e Liam voltou a soltar um riso. Era previsível que estivesse nervoso. - O que é?

- É apenas - Respirou fundo e olhou-a, de volta. - Eu costumava olhar-te assim. E responder-te assim. - Alison colocou os olhos no chão, envergonhada com toda a situação, até que sentiu as suas mãos acariciadas pelas de Liam. Os seus batimentos cardíacos aceleraram com o veredito: Ele tinha ouvido a mensagem. 

- Queres acrescentar alguma coisa... Para mostrar maturidade?

- Achei que não tinhas ouvido - Respondeu, receosa.

- Tu ligaste... Acho que querias que ouvisse - Fitou a miúda, respondendo de igual maneira que na semana passada, que tentou esconder uma pequena risada.

 

***

 alex pettyfer, david, and gif image

- Não percebo por que continuas a insistir... Sou uma pessoa tão com...

Ele interrompeu, elevando um pouco o tom de voz. - Complicada! Eu sei! E depois? - Encontrava-se mais nervoso, agora que sentia que iam descomplicar a situação e talvez, resolver.

- Estou a tentar ser realista contigo, Liam... Passei por coisas, no passado, que ainda me assustam. Pessoas morrem... Ao contrário do que dizem, a relação que temos com elas, não. Continua a evoluir e a mudar-te. Continua a mudar-me. E quando tu perdes alguém que te era próximo, passas por um processo de reintegração no mundo. É como arrancar um pedaço de ti. Eu não sei onde pertenço. Onde a Alison pertence. E isso é complicado... O curto tempo que estive contigo fez-me perceber que... Não mereces alguém assim. 

- Por quê? Achas que me assusto por teres pesadelos? Eu sei que tens pesadelos! - Ela passou as mãos na cara e ele aproximou-se, agarrando-as. Tentava compreendê-la, mais uma vez. E como se, por milagre, conseguiu ler os seus pensamentos e dúvidas. Também os teve. - Eu sei, eu sei... Eu também achei isso. Achei que não queria estar contigo, que não devia, que não podia... Eu sei que há muita coisa sobre ti, sobre o teu mundo, Alison, que eu não conheço, mas sou paciente. E quando quiseres contar, se quiseres contar, eu estarei aqui. Esta história é apenas o começo... Tu sobreviveste por uma razão!

- Liam...

- Tu lutaste por mim, o ano passado. Eu sei que muita gente desistiu de ti. A certa altura, até o teu irmão desistiu. Eu não estou pronto para isso. Não vou desistir de ti.

Voltou a vergar os olhos na mesa e apercebeu-se que ainda não tinha sequer tocado no seu hambúrguer. Comeu, já sem vontade. Liam olhava ao relógio impacientemente, como se tivesse outro sítio onde estar e assim que a loira terminou a refeição, pagaram a conta e dirigiram-se aos carros, em silêncio.

Estava lua cheia.

Liam sentia-se desanimado, dentro do carro já, mas ainda com esperança. A fase da lua era a favorita de Alison, que várias vezes lhe falara sobre as coisas misteriosas que aconteciam e desejos se realizavam.

Alison voltou-se.

- O que quero acrescentar é isto: Lembro-me de te ver, variadas manhãs, a vestires-te, depois de passares a noite comigo. De ouvir o teu carro a chegar. É o teu cheiro nas minhas roupas. É o toque das tuas mãos a percorrerem o meu corpo e fixadas na cintura, enquanto dançamos. O teu beijo - Não conseguiu terminar. Finalizou a sua explicação, da maneira mais profunda que o seu coração encontrou: - Não me lembro de me apaixonar por ti. Só me lembro de agarrar na tua mão e perceber o quanto ia doer quando soubesses a verdade e tivesse de te deixar ir. Quanto mais o Chad me tenta afastar de ti... Mais eu quero estar contigo. E quando eu desisto... Acontecimentos como... A faculdade, o comboio... A vida encarrega-se de nos voltar a aproximar. E eu sei que não é o final do mundo e que provavelmente já nem estamos em sintonia, mas, continuo a pensar nas memórias que criámos, que enquanto estiver contigo, aqui, aí, ali, em qualquer sítio, com um nós... Eu sei que tenho uma chance.

Talvez o dele tenha acabado de realizar-se.

 

 

Terminei este capítulo com lágrimas nos olhos. Fui a única?

Muito obrigado pelo apoio 🙏

 

 

um beijinho,

Anna Williams.

2 comentários

  • Imagem de perfil

    Ana ✰ 15.06.2017 11:50

    Wow....... Acho que não tenho palavras...

    Disseste tudo nestes teus pensamentos. Até o destino está interessado em ver mais sobre estes dois. Isto marca o início das conversas profundas e sinceras que vão ter. Por que todo o relacionamento deles, mesmo na Parte I, foi, de certa forma, honesto.
    Ao escrever, acredito que o destino quer que eles se encontrem... Seja na faculdade ou até mesmo à porta do clube onde Alison trabalha. Nas roulottes eles criam e fortalecem sempre algum laço de confiança.
    Adoro escrever a relação da Alison e do Liam, não por ser perfeita, porque não é, mas por ser real! As conversas, os pensamentos, os sentimentos, tudo isso... Vejo no mundo em que vivemos. Aliás, eu tento sempre criar personagens o mais real possível e que as pessoas possam, não só admirar, como talvez, ver-se nelas.

    Um obrigado parece tão pouco, mas sinto-me mesmo grata por escrever e mostrar esta história a todos vocês!

    E... Estou novamente de lágrimas nos olhos!

    Mal posso esperar para mostrar os próximos capítulos :)

    Beijinhos enormes!! Adoro-te! <3
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.