Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Tower of Writing

you will never guess her secret...

Tower of Writing

you will never guess her secret...

Capítulo 24 - "Didn't We Almost Have It All?"

 Capítulo 24 - Didn't We Almost Have It All?

 

footloose image

Liam entrou em casa chamando por Dave. Descalçou os seus all-stars pretos, e percorrendo toda a cozinha, finalmente ouviu o "estou cá dentro", vindo do irmão.

- O Javi acha que o carro dele tem a direção desalinhada, achas que podes dar uma olhadela?

Quando penetrou na sala, não esperava encontrar Alison. Com melhor cara, sem dúvida, e uma saia rodada branca e blusa azulada. Deu um passo atrás, mas Dave aproximou-se de imediato, impedindo-o de deixar aquela divisão. As suas palavras calmas, tranquilizaram-no. - Eu sei. Eu sei, Liam! Mas ouve-me, ela só quer um momento... Antes de ir embora. 

Liam assentiu, e Dave ausentou-se. Talvez estivesse na hora de encará-la. De frente.

- Alexis. 

- Lamento que tenhas descoberto daquela maneira - Começou por dizer, mal Liam a saudou. - Cada vez que olhava para ti, eu queria contar-te... Eu ia...

Ele interrompeu, sucessivas vezes. - Tu és doida.

- O Javier não me acha louca...

- O Javier não dormiu contigo. E não ouviu segredos em suspiro ao seu ouvido às três da manhã.

- Eu ia contar-te...

- Foda-se, cala-te com isso! Não o fizeste, portanto agora aguenta - Alison ficou muito calada, surpreendida com a mudança na cara de Liam. Ver o que se estavam a tornar, depois de tudo, não era a melhor maneira de começar uma sexta-feira. O rapaz começou a ironizar. Compreendia finalmente o motivo e dormir de luz acessa, de ter um terço na mala e obviamente de ter faltado ao memorial - Eu nunca te escondi nada! E não mereci isso da tua parte! Portanto, diz o que tens a dizer e põe-te daqui para fora!

A sua voz quase falhava. - Eu cresci em Chicago, no entanto, depois do massacre... Nunca voltei a estar em casa. Chicago passou a ser uma outra cidade, com a qual eu não me identificava. E eu sei que mal podes ouvir-me, mas... Estive sozinha a noite toda, esperando...

- Eu também estive! Esperando o quê? Queres saber? Que tudo isto não passasse de uma partida... Esperando que fosses alguém que eu costumava conhecer!

Ela continuou, tentando que os comentários não a distraíssem - Ver a estrelas contigo, ver as luzes citadinas... Acordou o sentimento de casa. Tu fazes-me sentir em casa... Eu estava tão assustada por enfrentar os meus medos que... ninguém me disse que tu estarias aqui... Que tu estarias no final do túnel... Que serias a minha luz - Liam era como um sonho realizado. Um herói. O herói que ela precisou quando andava demasiado perdida para uma jovem da sua idade.

 

***

― What If (2013)“Whatever happened, I still love you.”

Um breve silêncio instaurou-se. 

- Não consigo parar de pensar como é que eu nunca percebi... Quer dizer, essa é a razão pela qual eu não conseguia tirar os olhos de ti... Mas se eu nunca tirei os olhos de ti... Por quê... Como é que eu nunca percebi?

- Eu nunca deixei, Liam...

- Exatamente - Retorquiu, como se o facto de Alison ter admitido a sua responsabilidade, mudasse alguma coisa. - Eras só para ser uma mera conhecida. E passado estes meses todos, deito-me a culpar-te, mas o verdadeiro culpado sou eu. Por que tu disseste o que ia acontecer. Disseste que me ias destruir da maneira mais bonita que há... E eu não acreditei, portanto, esta é por conta da casa!

- Não fales assim...

- O Javier reconheceu-te. No teu primeiro dia - Observou. - A tua confiança fez com que não tremesses à sua frente. Mas ele sabia...

- Já pedi desculpa...

- ISSO NÃO ALTERA NADA! - Gritou. - Tu olhaste-me nos olhos e disseste que eras a Alison! Como é que tiveste coragem?

Visivelmente emocionada, sentou-se no sofá, pensando nesse tempo em que era uma "mera conhecida" e tudo parecia simples. Especialmente em Dezembro passado, quando estavam deitados naquele mesmo sofá, construídos para se desmoronar. Lembra-se de tirar um polaroid, o último, arredar todos os móveis para dançar, rir até chorar, chorar até adormecer. E quando o sol apareceu, ela estava a olhar para ele. Não conseguia esquecer aquela noite. Ainda nos seus braços, lembra-se de pensar: "será que estou fora de perigo? será que estamos fora de perigo?"

- O Dave disse que tinhas de ir... 

- Tenho - Respondeu, ainda zonza com aquela multidão de pensamentos. Olhou para aquela divisão, para aquele sofá, para aqueles móveis e uma última vez para Liam, antes de caminhar para a saída, disse: - Eu ainda me importo... E tu?

Ele chamou: - Alexis! - Pelo que se virou instintivamente, desejando ser o seu final feliz, rapidamente desfazendo-se pela explicação: - Não quero deixar-te ir, mas neste momento... Nem cinco coisas sei sobre ti...

Bateu com a porta quando saiu. Já era noite.

 

 *** 

No cimo das escadas me encontrava, rezando para que acabassem juntos. Que fingissem mais umas horas do fim-de-semana, para não o desperdiçar. Mas não. Só quase implorou para não levar o que não precisa dele.

Era como desejar chuva em pleno deserto. Uma mudança de clima, inesperada. Uma confiança mal depositada. Como é que Liam ia deixa-la ir, se na maioria das noites nem dorme? 

Não houveram lágrimas. Era tarde de mais para chorar. E mágoa demais para seguir em frente.

Queria que acabassem juntos. Era um desejo tão grande que quase intervim. Não há nenhum erro nesta história. Ele foi paciente. Ela foi gentil. Disse-lhe que quando o Sol beijar a Lua, tudo ficaria bem. Tudo ficaria equilibrado. 

Encostei-me ao corrimão assim que Liam subiu as escadas. A última desculpa que me reivindicou foi "Eu era apenas um rapaz, a amar uma mulher como uma miúda". Entrou na varanda do seu quarto, debruçando-se sobre o gradeamento, suspirou "Eu ainda te amo".

O que aconteceu aqui? O que aconteceu à esperança? Que diabo foi feito do amor deles? Desperdício? Quem te vai amar? Quem vai lutar por ti? Quem vai ficar para trás?

Ele viu-a ir-se embora e nada fez. Por que finalmente compreendeu que perder a sua vida não era o pior que podia acontecer. O pior, foi perder a razão de viver. E eu, agora, junto à ombreira da porta, continuava rezando para que acabassem juntos. Nesse momento, o céu não parecia tão longe. 

Não pretendo destruir esta história no final das suas linhas. Descrevi-a conscientemente como Parte I. Mas havia mais para contar. Tinha de haver.

Quando Liam se voltou, eu pude finalmente perceber... Quem não teve quase tudo?

 

 

Gostaram? 😨😱

Partilhem todos os vossos pensamentos.

 

um beijinho,

Anna Williams.

3 comentários

  • Imagem de perfil

    anna williams 02.11.2016 19:15

    Olá e sê muito bem-vinda :)
    Esta história ainda não acabou. Temos ainda a Parte II para descobrir o que não foi contado. Espero que continues a acompanhar!
    Muito obrigado pelas palavras! Fizeram o meu dia.

    Uma beijoca e até breve.
  • Imagem de perfil

    Only one girl 02.11.2016 20:32

    Ainda bem :)
    Claro que sim, eu adorei :-)
    Até breve
  • Comentar:

    CorretorEmoji

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.