Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Tower of Writing

you will never guess her secret...

Tower of Writing

you will never guess her secret...

Capítulo 3 - "Heartbreaker"

Capítulo 3 - Heartbreaker

 

Liam não sabia se queria vê-la. E parte dele continuou mentalizado que fora melhor assim. Porém, naquela noite, sonhou com Alison. Sonhou com o que costumavam ser. Jovens e livres. Sonhar mudou a sua perspetiva.

Somente na tarde seguinte, enquanto saía da biblioteca e vira Alison, ao fundo do corredor, sentada num banco de pedra, lendo algo, a sua outra parte, angustiada permaneceu.

Para quê descrevê-la? Um relance de olhos, e conheceu-a logo.

Observou-a uns momentos. Continuava linda. 

- Não vou gritar - Anunciou logo, colocando os braços no ar, sinónimo de paz. Alison agarrou no livro, desconfiada e receosa, começando a caminhar pelo corredor. Era evidente que estava apreensiva, pelo que Liam se apressou logo: - Não vou contar nada sobre... O teu passado.

- Então o que estás aqui a fazer?

- Só queria dizer-te olá...

- Tu não sabes nada sobre o meu passado...

- E se não quiseres contar-me, tudo bem... Irei respeitar.

- Não podes respeitar - O seu comentário mandão ripostado fê-lo soltar um pequeno riso. Quase se tinha esquecido do humor de Alison. - Falo a sério... Tu contaste-me o teu passado. Mostraste-me o teu lado negro... E eu não retribuí...

- Não é motivo para ires acabar o curso noutra universidade - Começou ele, perguntando a si mesmo se ela gostou de reencontrá-lo passado estes meses todos. Caminhavam pelo corredor, em silêncio, algo que Liam nunca imaginou. Achou que tinha sido o fim, naquela tarde, em sua casa. Dizem que o tempo supostamente cura, mas Liam não se sentia completamente curado. Ao ouvir a sua voz, percebeu que queria dizer mais do que um simples olá, pelo que explicou: - Para mim não fazia sentido continuar contigo... Por que... Achei que o que tínhamos não era de verdade... Nada do que tivemos foi em vão. Pelo menos para mim.

- Liam - Disse ela, parando e voltando-se para ele. Num só suspiro, olhou-o. - Tu estás magoado...

Vi-a cada vez mais perto de ir. Mas ele não queria deixá-la. Não, outra vez. Colocou as suas mãos na face da rapariga, encostando a sua testa à de Alison, e falando com o coração: - Tu estás mais. Eu amo-te. Por favor, fica. 

Olharam-se daquela forma épica quase se beijando e depois, Alison afastou-o. 

 - Mas ouvi dizer que tens estado com outra rapariga...

 

***

Voltou costas e dirigiu-se para o seu carro. Entrou. Minutos depois, observou Liam, no seu grande e estiloso carro antigo, estacionado uns metros à frente, que adorava. Ele não a viu, pelo que avançou de imediato. Era viciado naquele carro. Lá dentro, no lugar do condutor, sempre lhe pareceu um bad boy dos anos 80. Dizia, por vezes, que as estradas o deixavam sem rumo, e por essa razão, adorava conduzir pela noite fora. Nunca se perdia pelas luzes, antes pelas palavras que profere. Alison tinha inúmeras recordações com aquele veículo, que já durava à tanto tempo. 

Quando Liam chegou à residência, Javier estudava. Todas as fotocópias estavam espalhadas pela mesa. Informou-o que já tinha falado com Alison, talvez ficasse na UIC.

- Isso é formidável, mas agora tenho um assunto mais urgente.

- Qual? - Perguntou enquanto caminhava para o seu quarto.

- Por que é que o Eric tem sempre de ficar com tudo o que é meu?

O espanhol seguiu-o, explicando tudo o que se passava. Percebeu rapidamente que Liam não estava a prestar atenção. Deslocava-se de um lado ao lado da divisão, incessantemente. Despiu a sua t-shirt, trocando-a por outra. Depois entrou na casa-de-banho e equilibrou-se no lavatório. Abriu a torneira e, com as mãos cheias de água, passou-as pela cara, refrescando-se.

- Estás bem?

- Claro - Retorquiu, terminando de lavar os dentes. Voltou ao quarto e procurou por outro casaco.

- Pareces... Distante.

- É por causa da fraternidade? - Parou quando o questionou e depois sentou-se na cama, mostrando-se ponderado. Não enganou Javier, que teve certezas da sua inquietação - Eu ouvi que as apresentações às candidaturas são feitas na Friday Night Live, desta semana. Falas com outros membros, talvez com o presidente, para te dares a conhecer... Não sei onde é a festa, nem como se arranjam os convites... Mas nós vamos.

- Ouviste alguma coisa do que eu disse? As vagas são limitadas! O Eric vai ficar com o meu lugar... Para além do mais, qual curso é que aquele burro está a tirar?

Voltou a bufar. Levantou-se e vestiu o casaco, impaciente. - Consigo trocar de roupa e ouvir-te, ao mesmo tempo... O Eric está a concorrer a um lugar na Alpha Phi Alpha, tal como tu... Qual é o dilema?

- Respiro México, inspiro Espanha, transpiro Cuba... Sou espanhol!

- Já me tinha apercebido - Afirmou ironicamente.

- Achas mesmo que querem um espanhol como membro de uma fraternidade americana?

- Tens os teus direitos. És um cidadão americano, nasceste cá - Olhou-o, atento. Parecia desmotivado, pelo que Liam, se arrependeu da maneira como falou. Ele não tinha culpa da sua indisposição e falta de paciência. Aproximou-se, colocou a mão no ombro do amigo e disse-lhe, honradamente: - Tu és único, Javi. Esse é o teu super-poder. Usa-o.

Mais confiante, sorriu para o amigo.

- Agora veste qualquer coisa...

Minutos depois, ouviu Liam abrir a porta. Aproximou-se. - Vais sair? - Perguntou, vindo da casa-de-banho. Liam estava de costas, pareceu escutar um suspiro. Voltou-se, sério, e respondeu afirmativamente. Javier fitou-o: - Estudar?

Abriu a porta, e novamente seco: - Sim.

Só se for anatomia, pensou Javier quando a porta bateu.

Olhou à janela, vendo o amigo arrancar com o carro. Não teve dúvidas, a conversa com Alison deixou-o agitado, perturbado, nervoso.

 

Muito obrigado pelo apoio!

 

um beijinho,

Anna Williams.

2 comentários

Comentar post