Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Tower of Writing

you will never guess her secret...

Tower of Writing

you will never guess her secret...

Capítulo 35 - "Hope for the Hopeless"

Capítulo 35 - Hope for the Hopeless

 

Claire Holt

O dia nasceu cedo para Ashley. As notas dos seus exames da Academia tinham saído naquela manhã e a loira não quis perder mais nenhum minuto sem saber os resultados. Sem maquilhagem e com o cabelo solto, era assim que se encontrava. Quando regressava ao estacionamento, viu a carrinha de Ethan. Estava na hora de, também ela, falar. 

Após os pedidos de desculpa, típicos, e saudações muito formais, tentaram dar um novo rumo aquela amizade. - Visto que distribuis pizzas, não vejo nenhum motivo para não nos dar-mos.

- O quê? - Perguntou, rindo-se de seguida. Há muito tempo que não soltava um riso verdadeiro. Voltou a ficar sério, encostando-se ao à van. - Lamento mesmo, Ashley, só tentei... o melhor para ti.

- Então e a Kelly?

- Eu vi-a, no outro dia... Estou tão arrependido, Ashley. Era a mulher que morria por mim e eu...

Com dificuldades em encontrar as corretas palavras, a rapariga deu uma ajuda: - Tu não quiseste saber e partiste.

- Ela estava com outro e parecia tão feliz. Parecia que era melhor do que eu... Parecia melhor para ela. Vou... apenas viver a minha vida - Passou a mão pela testa, exausto. Sabia bem, finalmente, desabafar tudo. - Só espero não voltar a encontrá-la tão cedo, porque custa. Custa ver outro num lugar que podia ser meu.

Ashley manteve-se séria. Agora já não havia nada a fazer para o lado do moreno. Teve pena. Conhecia-o à quase 10 anos e podia ver a tristeza nos seus traços. - A Kelly merece tudo de bom.

Ethan concordou, acenando com a cabeça. Olhou-a. - Obrigado por seres minha amiga.

- Claro, Ethan. Também tiveste ao meu lado quando precisei, lembras-te?

Sorriu para ele e, de seguida, abraçou-o. Certamente estava a precisar.

 

 ***

Untitled | via Tumblr

Também o dia de Robert começou cedo. Saiu do estúdio passava pouco das 11 horas da manhã, precisava de uma pausa e de um café. Entrou no carro e conduziu uns quarteirões, não parando de pensar na noite anterior. Andie não voltou a dizer-lhe nada, mas tinha quase a certeza que não estava chateada.

Quando deu por si, tinha estacionado em frente ao teatro. Era quarta-feira, a rapariga tinha ensaio. Passou pelo segurança, que o conheceu logo e caminhou até ao camarim de Andie. A porta estava encostada.

- Wow - Foi a sua espécie de elogio, à nova disposição do camarim. - Isto esta diferente.

- Não comeces, quase perdi o emprego por tua culpa.

Virou-se. Robert já estava sentado no sofá, admirando-a. Voltar a falar foi mesmo um grande passo, era como uma luz que acendia todos os dias, algo a que se agarrava.

Estava errado. A mudança fez maravilhas a Andie, não só a nível profissional, como está à vista de todos, mas também pessoal. Parecia mais descontraída, desinibida e talvez divertida - se é que é possível.

- Quase.

- Foi um quase muito perto, ok? - Desta vez, mostrou-se zangada. Argumentos não faltavam aos dois. E ações de provocação, era coisa que ambos adoravam.

- Um quase que não aconteceu.

- A não ser que repitas a brincadeira.

- Uma brincadeira que gostaste.

- Quem te disse?

- O teu sorriso. 

Com o pulso à frente da boca, tentou esconder as suas reacções. Começou então uma conversa entre olhos, eye contact. Eye contact é uma coisa perigosa. Mas adorável. O britânico começou a rir. Andie atirou-lhe uma caixa de bombons. Foi a sua vez de, também, rir. Levantou-se e sentou-se ao seu lado. Robert sentiu de imediato o cheiro da sua fragrância.

 

***

Abriu a caixa e retirou um chocolate, comendo-o de imediato. Imediato foi também o protesto de Robert: - Eu ia comer esse!

- Chegaste tarde.

Virou-lhe a cara no seguimento do seu riso malvado e, como se ganhasse coragem, de uma vez só: - Não cheguei tarde para isto.

Beijou-a.

Foi aquele tipo de beijo que antes fora trocado milhões de vezes pelo olhar e, só agora, chegou aos lábios.

Os corpos viraram-se instintivamente e a rapariga sorriu. Puxou-o mais para si, continuando a beija-lo. 

Já sem folgo, afastaram-se. Sentaram-se. Robert agarrou na mão de Andie, acarinhando-a, mas foi ela que falou.

- Desculpa, de certa forma, não fui sincera contigo.

- Não quero pensar nisso.

A rapariga mudou o tom. - O que me deixa zangada é que ouvi dizer que tu e o Zac vão a Portugal e... eu não recebi convite.

- Não precisas de convite - Afirmou olhando fixamente para os seus olhos.

- Já estou no aeroporto.

- E o musical?

- Tenho uma ideia para isso.

Voltou a sentar-se na sua mesa, pegou no bloco e caneca. Em modo inspiração, olhou para Robert no reflexo do espelho. Mais do que curioso, parecia ansioso por tudo o que o esperava.

Dobrou-o, colocou-o dentro de um envelope e escreveu, como remetente, Claire, com vários sublinhados marcados, chamando a atenção.

Saíram do camarim e cruzaram-se com uma funcionária, do guarda-roupa.

- Sarah, olá. Podes deixar isto no camarim da Claire?

- Sim - Afirmou categoricamente aceitando o envelope, e depois, olhou para Robert. Percebeu que algo mudou. Sorriu. - E... bom almoço.

Agradeceu, também sorrindo. Caminharam para a saída, já de mãos dadas, ternurentos.

 

 

 um beijinho,

Annie 

5 comentários

Comentar post